segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

O Porto no Dia de Natal


Duas fotografias tiradas no passado dia 25, no Porto.

A imagem acima foi tirada no cruzamento da rua de Cedofeita com a rua Álvares Cabral, e na varanda da loja de discos que existe nesse local, lá estão os Beatles a acenar. A imagem vem de um dos álbuns dos Fab 4, o "Help!" de 1965.

Abaixo vai uma fotografia de uma bonita publicidade aos vinhos do Porto Ramos Pinto, na zona da Ribeira (vê-se um pouco da fachada gótica da Igreja de São Francisco, no lado esquerdo). E aproveito também para fazer uma menção especial ao excelente Tawny de 20 anos da mesma casa de Vinhos do Porto, que literalmente regou este Natal.

Votos de um excelente ano de 2010 para todos.

domingo, 1 de novembro de 2009

Três Cantos

Foi numa onda bastante "revival" que o Coliseu do Porto encheu completamente para três dos maiores músicos, ditos, de intervenção, pela crítica e pelo público, juntos no mesmo palco. Pois bem, o que passou foi que o José Mário Branco, o Sérgio Godinho, e o grande Fausto deram um excelente espectáculo que fica na história da música portuguesa, onde desfilaram grandes clássicos ao longo de cerca de duas horas e meia de concerto.
E não me vou alongar mais em palavras. Apenas repito uma frase do Sérgio durante o concerto, "Zeca Afonso devia estar aqui esta noite". Seguiu-se uma música do Zeca de título "De Não Saber o que me Espera", que com toda a sua actualidade fez com que o mestre José Afonso estivesse, de facto, no coliseu do Porto. Quanto à sua obra, essa nós já sabemos, estará sempre em todo o lado, para sempre.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A Basterd's Work is Never Done

Mais um grande filme do Quentin Tarantino. Um filme fabuloso e absolutamente imperdível, apesar de não atingir, a meu ver, a obra-prima Pulp Fiction. A alternância nas línguas do filme é um dos seus pontos fortes, bem como a performance do Christoph Waltz, que fala quatro idiomas (bem merecido o prémio que ganhou para melhor actor em Cannes, aliás, não chega, pois merece um Óscar), e que se apresenta como um dos actores principais do filme, juntamente com a lindíssima Mélanie Laurent, que representa muito bem o papel de Shosanna. Já o Brad Pitt é Aldo Raine que lidera um grupo de judeus norte-americanos, os "Basterds", que fazem uma e uma coisa apenas, matam nazis, pagando ao seu líder em escalpes. A este filme falta um pacing mais consistente, pois tem algumas falhas na fluidez, e juntamente com isso, tem um soundtrack, que, apesar de bom em alguns momentos, não é tão forte quanto o habitual nos filmes dele, e esse habitual costuma ser algo quase perfeito, como as bandas sonoras dos já falados Pulp Fiction ou Reservoir Dogs, daí as expectativas serem tão altas altas relativamente a algo tão típico e importante nos filmes dele como o soundtrack. No geral, um filme de guerra, de vingança, algum e bom humor, tudo numa só película, num dos melhores argumentos do Quentin, e que faz deste um grande filme, e um dos filmes mais completos que me lembro de ver.

domingo, 13 de setembro de 2009

Esta - אסטה

Depois dos últimos dias de férias passados em Terras do Douro, recordo uma das melhores experiências musicais destes meses pós-aulas (ou pré-aulas, também podemos ver as férias desta maneira mais triste).

Uma banda Israelita, chamada Esta, que em Hebraico se escreve אסטה, e que apresenta a meu ver um estilo verdadeiramente de fusão numa caldeirada à base de jazz e rock instrumentais, flavours étnicos do país de origem, que se juntam perfazendo música absolutamente fenomenal. E tive o enorme privilégio de os ver ao vivo este Verão, em que constatei a quantidade enorme de instrumentos, desde os ocidentais, até aos mais exóticos do oriente, um músico inspirado no grande Roland Kirk, e que toca vários saxofones ao mesmo tempo, e até dois covers, um dos U2, e outro, o clássico "Nights in White Satin" dos Moody Blues.

Originalmente uma banda instrumental, lançaram o terceiro álbum (e até ao momento o último) em 2002, de título "Home Made World", onde incluíram o canto algo celestial de uma vocalista chamada Yarona Harel, que desde então passou a integrar a banda. Foi este disco que comprei, para poder ter uma imitação da experiência musical dessa noite, em que até aprendi algumas palavras em hebraico, e que possa repetir quando quiser. Só lhe falta mesmo a intensidade típica do "live", para deixar de ser imitação.

Achei este vídeo deles nessa coisa fantástica que é o Youtube. Espero que apreciem tanto como eu. E é com bandas e música deste género que me apetece dizer "Viva música do Mundo"!


sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Les Paul

Faleceu ontem aos 94 anos de idade um lendário guitarrista dos Blues, Les Paul, que para além de toda a importância musical, foi pioneiro no desenvolvimento da guitarra eléctrica, sem a qual a música contemporânea e o rock 'n' roll nunca seria possíveis. De destacar a igualmente lendária guitarra Gibson Les Paul, baptizada em seu nome, um ícone da história da música, e que geralmente é catalogada com o título de melhor guitarra alguma vez criada, juntamente com a principal criação da companhia rival, a grande Fender Stratocaster.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Pulp Fiction

Estou quase a retirar-me por alguns dias para longe do alcance do autêntico braço de polvo que é a Internet. Mas só da Internet, pois a música, como sempre, permanecerá por perto.

E para estas férias reavivo o grande surf rock. Por isso deixo-vos a sugestão de seguirem as recomendações e fabuloso gosto musical do grande Quentin Tarantino no soundtrack do "Pulp Fiction", (e não só, porque os soundtracks dele são sempre excelentes) que fornece um grande leque de músicas do estilo, desde a icónica versão de "Misirlou" do Dick Dale, até à sombria "Bullwinkle pt. 2" que acompanha o shoot de heroína do Vincent Vega, e muitas outras que fazem a imagem sonora de LA, passando também por outros estilos, como o cover pelos Urge Overkill de "Girl, You'll Be a Woman Soon", originalmente do Neil Diamond, e o inesquecível twist da cena de dança do Travolta e da Uma Thurman.


Um dos melhores soundtracks que já ouvi, num dos meus filmes preferidos, e também dos melhores que já vi, como quase todos do Tarantino. A não esquecer a participação da portuguesa Maria de Medeiros, num elenco fabuloso. Portanto, o próprio filme é uma sugestão.
Boas férias.


sexta-feira, 26 de junho de 2009

Morte de Michael Jackson

Aproveito para deixar um post de homenagem a uma das figuras mais marcantes da música pop em tempos recentes, e que deixou marcas indeléveis para o presente e futuro da mesma.

Requiescat in pace.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Há 20 anos atrás...

...na China, numa praça chamada Tiananmen, ocorria algo que mudava o mundo. E como uma imagem é sempre algo inefável, cá está a histórica foto, candidata a melhor de sempre.
Para recordar.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

"Industrial Disease"

Hoje, no meu caminho a pé para a Faculdade de Ciências, no dia da apresentação dos trabalhos, nomeadamente aquele que o meu grupo desenvolveu, sobre evolução de doenças epidémicas, lá ia eu acompanhado por música, claro. Eram os Dire Straits, até que quando ia na terceira faixa do disco "Love Over Gold" de 1982, que se chama "Industrial Disease", de repente pensei: "isto encaixa na situação que queremos descrever no trabalho". Grande coincidência, mas mais do que isso, creio que corrobora ainda mais a minha tese de que para qualquer temática que quisermos, há uma música sobre essa temática, o que revela a proximidade desta arte face ao quotidiano, uma das coisas que a torna uma das melhores criações humanas.

Isto foi só um pretexto para ouvir a música outra vez, e ser contagiado pela alegria dos Dire Straits. Cá estão eles:

sexta-feira, 29 de maio de 2009

"Serralves em Festa"

Neste fim de semana tem lugar mais uma edição do maior festival de arte em Portugal em 40 horas Non-Stop.
A não perder!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Maio

Maio é, por excelência, o mês do protesto. Desde o histórico dia 1, às memórias do Maio de 68. Acontece que este ano o 1º de Maio foi eclipsado pelas agressões ao Vital Moreira, que a meu ver acabaram por ser boas para o partido socialista, uma vez que conseguiram desviar a atenção das manifestações e esquecer o espírito de protesto do dia, e o descontentamento do proletariado, isso sim, o que era importante ter discutido.

É nesse sentido, o do protesto e da luta que a grande música portuguesa tem passado no meu equipamento sonoro, entre as quais, outro grande disco do Zeca, "Cantigas do Maio", 1971. Histórico e genial, no lote do melhor que já foi feito em Portugal.

sábado, 25 de abril de 2009

As conquistas/promessas de Abril

Nós portugueses estamos desiludidos com as promessas inerentes ao 25 de Abril. Mas relativamente às conquistas parece estar tudo bem, principalmente quando essa terra que é Santa Comba Dão conquistou, no dia em que se festeja a liberdade da nossa pátria, um busto para o carrasco dessa liberdade durante quase 40 anos. Talvez fosse esta uma das famosas conquistas do 25. Portugal pode estar a ensinar algo aos outros, talvez o camarada Fidel levante, um dia, um busto em Habana ao Fulgencio Batista, e já agora no dia da revolución.

Voltando-me para a música, um grande disco para ouvir hoje é o "Venham Mais Cinco" do Zeca, gravado em Paris em 1973.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Geração QI ou Herança Inteligente

Uns camaradas do 12º Ano estão a desenvolver um projecto no âmbito da disciplina de Área de Projecto relacionado com os testes de QI.

Aqui fica o link para o blog do projecto, onde se poderá seguir mais de perto o trabalho, bem como responder a um inquérito que ajudará na feitura do mesmo.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Roteiro para a Matemática

O presidente da República resolveu dedicar à Matemática um dos seus roteiros para a Ciência, que vai ter lugar durante os dias de hoje e de amanhã. A razão é que a iliteracia evidente neste domínio constitui um "obstáculo ao desenvolvimento" do país, pois o conhecimento matemático cada vez mais abrange uma mais vasta área de aplicações, apesar de estar camuflado e por isso invisível aos olhos de muita gente, e de importância maior para a evolução da humanidade em diversos campos.

Devido a esta importância fundamental, há muito que fazer, e estes roteiros são passos minúsculos, que apenas podem ter impacto, não no avanço em si, mas no despertar para passos maiores e de maior alcance, esses sim que podem mudar alguma coisa. Esperemos que o consigam.

domingo, 12 de abril de 2009

Gran Torino


Mais um grande filme do Clint Eastwood que é indispensável ver, onde, para além de realizar, participa também como actor, algo que já não acontecia desde o grande "Million Dollar Baby" de 2004. Juntamente com o "Changelling", já referido em post anterior, o Clint brinda-nos com outra grande película.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Gostos...discutem-se

Todos nós já travámos conversas que culminam na típica e enfadonha frase: "Gostos não se discutem". Tão típica, que ninguém a questiona. Acontece que é dela que eu discordo, daí que a considere enfadonha.

Esta frase tem, a meu ver, um carácter muito estranho, pois é dogmática, taxativa e anti-humana. Dogmática pois impede a discussão de um tema, que obviamente deveria ser discutido, pois com a inteligência que Deus nos deu (ou não), devemos discutir tudo. Taxativa pois tem o poder assustador de acabar com uma conversa. Mas mais surpreendentemente, é anti-humana, daí a estranheza que eu lhe atribuo, pois quando é invocada, ao acabar com uma saudável tertúlia, está a acabar com uma materialização do maior tesouro da humanidade, a discussão alicerçada na argumentação lógica.

O gosto advém do juízo de valor, e assim, do abstracto, do subjectivo, o que dá azo a uma grande variabilidade, reveladora de riqueza. Acontece que a meu ver, esta riqueza não pode ser ou ficar estática, tem de revelar o dinamismo característico da humanidade, e esse dinamismo tem de ser conseguido através da discussão, do simples acto de falar, não numa perspectiva manipuladora dos gostos de outrem, mas numa perspectiva de apresentação e de confronto dessa rica variabilidade.

É por tudo isto que eu julgo que os gostos se discutem.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Aïda

Parte dos meus gostos musicais situam-se no domínio da música erudita, e foi nesse âmbito, mais precisamente no da ópera, que passei uma boa noite, ontem, no grande Coliseu da nossa Invicta.

A ópera foi a Aïda, uma das obras-primas do Giuseppe Verdi, um dos reis da ópera, (fez 37 durante a vida!), estreada no Cairo em 1871. Conta com passagens musicais famosas (no jogo do Porto em Manchester ouviu-se uma dessas passagens a ser entoada pelas claques), para além de ser, talvez, cenicamente, a ópera mais impressionante alguma vez realizada, muito pela temática forte do Antigo Egipto. A meu ver, a performance foi muito boa, mas o que mais me marcou foi a componente visual imponente.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Tom Waits

Um vídeo do António Pinho Vargas a tocar a sua fabulosa peça de homenagem ao Tom Waits. Segundo palavras do próprio, conheceu a arte do Tom Waits através dos discos que o Rui Veloso lhe emprestou, fazendo a pirataria da época, a cópia para cassettes, isto por volta de 1981, quando tocou no disco "Fora de Moda". ele diz que ficou impressionada com a música, mas, sobretudo, como quase toda a gente, com a voz: cavernosa, rouca, concerteza com muito tabaco, muito whiskey, e sabe-se lá mais o quê. Mais tarde fez esta música, que diz ser, mais do que um tributo, uma homenagem, e que segundo o Pedro Burmester faria o Pinho Vargas rico, se ele fosse norte-americano. É de realçar que o Tom Waits provavelmente não sabe da existência da música.
Aqui na sua versão piano solo, ainda mais sentida e intimista. Se o Tom Waits soubesse da música, só poderia dizer o mesmo que eu digo - Lindo!

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Jazz'n Gaia

O meu dia de ontem foi altamente estranho, começando pelo facto de que se passou quase exclusivamente em Gaia. Grande parte do dia foi passado no Regimento de Artilharia nº 5, da Serra do Pilar, em que fui severamente atacado pelo tédio da futilidade do dia da defesa nacional, tédio digno de lembrar a poesia ortónima de Fernando Pessoa, ou o grande Franz Kafka e o seu cansaço diário face ao acto burocrático e rotineiro, obrigativo, mas desprovido de qualquer sentido no prisma daquela coisa que é a inteligência humana.

Depois do fim desta coisa, estava ciente que precisava de um antídoto do melhor possível, e não havia dúvidas de que só podia ser música. E foi assim que fui assistir ao fabuloso primeiro dia do festival "Jazz'n Gaia". O primeiro artista da noite era da casa, o grande António Pinho Vargas, que nos brindou com as sublimes versões piano solo das suas músicas, agradecendo ao público da sua terra (onde já não tocava desde 1985!) com o encore, "Cantiga para Amigos".

Depois seguiu-se um senhor do outro lado do Mundo, o Italo-norte-americano Al di Meola, tocando em trio, mostrando toda a influência marcadamente flamenga da sua música, (lembrar o disco "Elegant Gypsy", 1977, altamente recomendado), sempre com um virtuosismo inacreditável. Nunca tinha visto ninguém tocar daquela maneira. Já me doíam os dedos só de ver, no fim da performance dele. Tempo ainda para um regresso para um triplo encore, entre os quais o clássico "Spain" do Chick Corea.

Em suma, um concerto fabuloso, do melhor que já vi: 5-stars!

domingo, 29 de março de 2009

Barcelona!

Há um ano atrás este era o último dia de uma curta, mas "very enjoyable stay", na capital da Cataluña, a bela cidade de Barcelona.
Para além de ter ficado na memória como um local ao qual espero um dia regressar, o que é bom recordar são os inesquecíveis momentos lá passados. Tantas peripécias e afins, daquelas que conseguem guiar continuamente horas e horas de conversa. Momentos que ficarão para sempre connosco.
E como há uma música para tudo, para condizer com este flashback, nada melhor que o grande dueto do Freddie com a Montserrat Caballé:

sexta-feira, 13 de março de 2009

UP Show

Nos dias 26 a 29 de Março de 2009 irá ocorrer no Pavilhão Rosa Mota a 7ª Mostra da Universidade do Porto - Ciência, Ensino e Inovação.

Para todos os alunos que irão ingressar no ensino superior e que visitem esta mostra, espero que seja esclarecedora, ou seja, que no fim, não tenham qualquer dúvida em dizer que vão estudar para a melhor Faculdade da melhor academia do País, a Faculdade de Ciências do Porto, claro. Se assim for, é óptimo. Mas só será perfeito se para além disso escolherem também o melhor curso, que é, obviamente, o de Matemática.

Cumprimentos a todos!

terça-feira, 3 de março de 2009

"Get Back Jojo"

Uma musiquinha para hoje:



A última apresentação dos Beatles, numa tarde de Janeiro, obviamente fria, miraculosamente não chuvosa de Londres, no topo do prédio do número 3, Savile Row, por cima da sede da Apple, a companhia fundada pelos Fab 4.

Enjoy and don't forget to always "Get Back to where you once belonged"!

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Eastwood is ...Hollywood


Fui ver o último filme do Clint Eastwood, e permitiu-me reforçar a conclusão de que, depois de uma aclamada carreira como actor, ele é também um dos melhores realizadores da actualidade, e faz parte da grande máquina de Hollywood, como eu quis expressar no título do post, apesar de Hollywood ser, obviamente, muito mais do que apenas ele. Os filmes dele enquanto realizador têm regularmente apresentado um nível excelente, constantemente candidatos a prémios, e grandes êxitos de bilheteira, o que me faz considera-lo muito mais como um grande realizador, do que como um grande actor, provavelmente devido à maior actividade dele a realizar nos tempos mais próximos, mas também porque os Spaghetti Westerns, pelos quais ele se tornou conhecido como actor, ainda não me satisfizeram totalmente, se bem que admito a possibilidade de esta posição se vir a alterar no futuro, tanto mais porque ainda não explorei devidamente o estilo.

Neste último, conta-nos uma história passada nas décadas de 20 e de 30 do século passado, e baseada nos homicídios de Wineville, Riverside County, California, um caso que mostrou aos Estados Unidos a corrupção existente no Los Angeles Police Department. A excepcional interpretação da Angelina Jolie é um dos principais destaques do filme, no papel de uma mãe cujo filho foi raptado, e que sofre tentativas de desacreditação por parte da polícia, que procura tapar o engano no caso, interpretação que valeu merecidas nomeações para os globos de ouro e para os Óscares da Academia.

Um filme altamente recomendado.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Lagrange

Os Chineses lembraram-se de fazer mais uma das coisas que volta e meia surpreendem os ocidentais. Desta vez foi algo a que devo tirar o chapéu:


Algures num viaduto da sempre enublada cidade de Pequim, eles resolveram celebrar o grande Teorema do Valor Médio, versão Lagrange, pendurando o resultado desse Teorema no dito viaduto. Joseph-Louis Lagrange foi um dos maiores matemáticos dos séculos XVIII e XIX. Assim, para quem se deslocar na cidade e passar por este local, basta apenas olhar para cima para ver esta celebração a um grande teorema da Matemática, a mãe de todas as ciências. Por isso, esta acção chinesa só pode ser elogiada.

Viva a Matemática!!

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Crisis? What Crisis?

Ainda com o pensamento na crise de que tanto se fala, surgiu-me, de repente, a expressão que intitula um dos álbuns dos grandes Supertramp: "Crisis? What Crisis?", 1975.


Não é dos meus preferidos da banda, e a meu ver, não é também dos melhores, estando aquém dos clássicos posteriores, como o famoso pequeno-almoço transatlântico, ou do grande "Crime of the Century" do ano anterior. Este veio mesmo mais a propósito do título do que de outra coisa, que juntamente com esta capa bizarra e surrealista, até pode trazer qualquer coisa de piada à tão falada crise.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Ano Novo...Crise Nova

Como de costume, aponta-se para uma crise em 2009. É apenas mais uma daquelas crises que parecem suceder em Portugal desde o nosso glorioso século XV. Já em 1979, apenas 5 anos depois da revolução, o grande José Mário Branco perguntava na sua epopeia chamada FMI, e que falarei mais vezes futuramente: "Estás desiludido com as promessas de Abril, ?". Passaram 30 anos, e a pergunta continua a fazer sentido e a ser legítima. Do mesmo modo, a resposta continua a ser igual: "Sim, Estamos desiludidos!", dada quase num tom de reza.

Outra preocupação vai para as questões ambientais. O tempo vai passando, e o que se vê é paleio, paleio, e pouca vontade de trabalhar.

Nem tudo é mau. Pela primeira vez em 8 anos, sabemos à entrada do novo ano, que já não teremos mais de ver a figura do Walker do Texas, Bush. Mais do que o facto de Obama ser o próximo, e trazer grandes esperanças a um mundo preocupado, o que devemos realmente festejar é o fim da era Bush, fim que poderia ter sido mais alegre se o célebre jornalista iraquiano tivesse mostrado mais capacidade de tiro e lhe tivesse acertado com uma dessas novas munições chamadas sapatos.

Resta-nos então olhar para o passado recente, os 20 anos sobre 1989, a meu ver um dos anos mais marcantes da 2ª metade do século XX, e analisar como esse passado pode e deve fazer-nos repensar o futuro, num presente que infelizmente não augura nada de bom.

Esperemos, portanto, um bom ano novo. Feliz 2009!