domingo, 25 de abril de 2010

Mudam-se os tempos...

Uma sugestão musical para hoje, que vem mesmo a calhar com o dia: "Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades", José Mário Branco, 1971.

The Hurt Locker

Fui um destes dias ver o vencedor da edição deste ano dos Óscares, The Hurt Locker - Estado de Guerra. Fiquei um pouco desiludido. Mentira, muito, o filme foi uma valente.... A qualidade do filme não consta, a meu ver, da lista de atributos que o fizeram ganhar o Óscar, nomeadamente do argumento, que também ganhou o respectivo prémio, algo que eu considero completamente absurdo. Comparando agora com outro filme que era candidato, "Inglourious Basterds" de Quentin Tarantino, prefiro este último por uma grande margem, sem dúvida. Quanto a dizer que este é o melhor filme sobre a história recente do Iraque, também discordo. Já há bastante tempo atrás, dediquei um post ao filme "Body of Lies" de Ridley Scott. Até ao momento este é o que eu acho melhor relativamente a essa temática terrorismo/Iraque. Assim escolheu a academia, e não pretendendo eu incitar a teorias da conspiração, creio que aproveitou uma boa ocasião para dar o prémio a uma realizadora, pela primeira vez na história.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Uma questão de semântica

Ontem descobri uma coisa da qual já suspeitava havia bastante tempo. Acontece que quando essas suspeitas nos influem mais directamente, passam antes a ser certezas, tal como me ocorreu ontem.

Se querem aprender matemática, antes disso aprendam português, ou a vossa língua materna, antes de qualquer outra coisa. Existe na Faculdade de Ciências do Porto, no início do 1º semestre, um dito curso de pré-cálculo, destinado a lançar alguns fundamentos aos alunos de matemática recém-chegados. Sublevo-me agora para a criação de um curso de pré-português na mesma faculdade. Para já ainda estou numa maré de grande indecisão sobre o público-alvo. Serão mesmo os alunos os que mais precisam de tal coisa? Não sou o proverbial mestre desse artifício que é o domínio da nossa língua, e não me arrogo de tal coisa. Mas considero-me minimamente capaz nessa faculdade.

Acabo endereçando um sentido pedido de desculpas a quem tiver lido este texto e aturado até ao fim estas muito pessoais divagações, e as acharem, com alguma legitimidade, dignas de um mitómano.