sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Rivolição

Há já uns anos atrás (na verdade, foram anos a mais nesta situação), aquando do processo que culminou na atribuição do Rivoli ao Sr. La Féria, ouviu-se e vislumbrou-se pela cidade a palavra Rivolição. Ainda sobram alguns exemplares dessa palavra pintados algures em paredes do nosso Porto. Depois desse episódio de má memória, "dark times have passed". Acontece que Rivolição é o que está por agora a acontecer nessa mui nobre sala da cidade, depois da saído do citado senhor, nomeadamente no corrente mês, com uma série de concertos que hoje se encerra com o grande José Mário Branco e que nos dá aquilo que faltou durante os últimos anos: variedade de oferta, contrariando o vazio originado pela estratégia adoptada para o Rivoli. Seguir-se-á o já tradicional Fantasporto. E creio ser este o rumo que a Invicta precisa, se bem que ainda tenho as minhas reservas sobre qual será o desfecho. A cidade do Porto e a cultura necessitam-se reciprocamente. Esperemos que, tal como no Casablanca, seja o (re)início de uma bela e frutífera amizade entre as duas.

Sem comentários: