segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Blue Train

Blue Train, de John Coltrane, 1957. Este é o álbum de Jazz de me recordo há mais tempo. Provavelmente, foi o primeiro disco de Jazz que eu ouvi. E por isso mesmo, deve de ser o disco de Jazz que mais vezes ouvi na minha vida. O mesmo se pode dizer da faixa título, que deve de ser a música de Jazz que mais vezes ouvi. Como consequência, acho que sei os solos quase de cor. Este foi o segundo álbum da carreira do Coltrane como líder, e o primeiro (e único) álbum dele na Blue Note. Todas as faixas são composições novas, com excepção do standard 'I'm Old Fashioned'. Quanto aos outros músicos, são soberbos. No trompete, o Lee Morgan, que na altura em que participou neste álbum deveria ter 19 anos de idade, e que viria mais tarde a desenvolver uma carreira, infelizmente curta, que incluiu grandes discos a solo e a participação, por exemplo, nos Jazz Messengers de Art Blakey, participando no também lendário 'Moanin' '. Curtis Fuller no trombone, Kenny Drew no piano, Paul Chambers no baixo (por vezes tocado com arco) e o Philly Joe Jones na bateria. Gosto de imaginar as festas de Jazz dos anos 50, em que se tocavam estas peças quase intermináveis, numa altura em que o Jazz não implicava ficar sentado o mais quietinho possível numa cadeira a escutar. Não digo que não a essa atitude de estar simplesmente a escutar, deleitado. Mas isso do Jazz dançado, ou melhor, abanado (creio que é mais exacto classificar esses serões Jazzísticos dos anos 40 e 50 como abanados, o que para mim não seria mau, pois dançar não é meu forte), tinha uma certa dose de loucura, que eu também sinto que me percorre quando oiço este Jazz do bebop e do hard-bop, de batida forte e velocidade. Essa dose de loucura que tanto inspirou a música futura, o movimento beat, a poesia ritmada e a literatura. Este álbum é um marco no hard-bop. E sempre que se fala em hard-bop esta é uma daquelas obra que me vem logo à cabeça. E sendo o hard-bop o meu estilo preferido dentro do mundo do Jazz, julgo que as repetidas audições deste álbum contribuíram definitivamente para isso. Um álbum grandioso e histórico.

Sem comentários: